Internet e l'informazione come diritti fondamentali che condizionano l'acesso alla giustizia nell'ambiente digitale

Palavras-chave: diritto digitale, diritti fondamentali, accesso alla giustizia, accesso a internet, accesso alle informazioni

Resumo

Questa ricerca mira a studiare le ragioni per cui il consolidamento dell'accesso alla giustizia nell'ambiente digitale può dipendere sia dall'accesso a Internet che dall'accesso alle informazioni. Utilizzando l'approccio ipotetico deduttivo e la tecnica di ricerca bibliografica, analizza gli aspetti convergenti e problematici dell'interdipendenza tra l'accesso alla giustizia e i diritti fondamentali di accesso a Internet e all'informazione a partire dalle garanzie procedurali e l'accesso al supporto tecnologico, soprattutto per le persone vulnerabili a causa delle loro caratteristiche e circostanze personali. Si conclude che l'accesso a Internet rende possibile che, in momenti come la pandemia, gli individui continuino ad avere accesso ad alcuni dei loro diritti, specialmente attraverso il trattamento appropriato delle informazioni legali in un linguaggio chiaro e facile da capire.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ederson Rabelo da Cruz, Universidade de Brasília (UnB)

Mestrando em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília (UnB). Especializando em Direito Digital pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Foi Secretário Adjunto ao Gabinete da Coordenadoria-Geral da Clínica de Direitos Humanos CDH|UFPR no biênio 2017/2019.

Luan Christ Rodrigues, Universidade de Brasília

Doutorando em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Direito e Sociedade pela Universidade La Salle. Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. Professor de Direito Público e Direito Privado do Centro Universitário La Salle – Lucas do Rio Verde/MT. Advogado

Referências

AMB, FGV, IPESPE. Estudo da Imagem do Poder Judiciário Brasileiro, 2019. Disponível em: <https://www.amb.com.br/wp-content/uploads/2020/04/ESTUDO_DA_IMAGEM_DO_JUDICIARIO_BRASILEIRO_COMPLETO.pdf>.

AZUMA, Eduardo Akira. Considerações iniciais sobre a Internet e o seu uso como instrumento de defesa dos direitos humanos, mobilização política e social. Revista da Faculdade de Direito UFPR, 2007.

BARCELLOS, Ana Paula de. Acesso à informação: os princípios da Lei nº 12.527/2011. Quaestio Iuris, Rio de Janeiro, vol. 8, n. 3, p. 1.741-1.759, 2015. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/quaestioiuris/article/view/18818>.

BENNION, F. Confusion over plain language law. Journal of the Commonwealth Lawyers’ Association, p. 63-68, 2007.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução Carlos Nelson Coutinho; apresentação de Celso Lafer. — Nova ed. — Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 11.419 de 19 de dezembro de 2006 - Dispõe sobre a Informatização do Processo Judicial; altera a Lei n° 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil; e dá outras providências.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional e teoria da Constituição. 7. ed. Coimbra: Almedina, 2003.

CUMMINGS, Scott; RHODE, Deborah. Access to Justice: Looking Back, Thinking Ahead. Gergetown Journal of Legal Ethics, vol. 30, n. 3, 2017.

DE HERT, P.; KLOZA, D. Internet (access) as a new fundamental right. Inflating the current rights framework? European Journal of Law and Technology, 2012.

FAULS, Dorothy Ann. Plain language and the law: Rethinking legal information for vulnerable people in Australia. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade de Queensland, Austrália, 2018.

FERRAJOLI, Luigi. Derechos y Garantias, La Ley del Más Débil. 3. ed. Madrid: Editora Trotta, 2002.

GARWOOD, K. Metonymy and plain language. Journal of Technical Writing and Communication, vol. 43, n. 2, p. 165-180, 2013.

GREINER, J., JIMENEZ, D., & LUPICA, L. Self-help reimagined. Indiana Law Journal, v. 92, p. 1119-1173, 2017.

INGO, Wolfgang Sarlet; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2020.

ISENSEE, Josef. Ethische Grundwertw im Freiheitlichen Staat. In PAUS, Ansgar (org.). Werte, Rechte, Normen. Wien; Köln: Butzon & Bercker Kevelaer; Styria Graz, 1979.

HEINEN, Juliano. Comentários à Lei de Acesso à Informação: Lei nº 12.527/2011. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2014.

KIRBY, J. A study into best practice in community legal information: A report for the Winston Churchill Memorial Trust of Australia. Victoria: Victoria Law Foundation, 2011.

MALAVÉ, Mayra Carolina Malavé. O papel das redes sociais durante a pandemia. Disponível em: <http://www.iff.fiocruz.br/index.php/8-noticias/675-papel-redes-sociais>. Acesso em: 07 Maio 2021.

OSNA, Gustavo. Processo civil, cultura e proporcionalidade: análise crítica da teoria processual. 1. ed., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2017.

OHLWEILER, Leonel Pires. A efetividade do acesso às informações administrativas e o direito à boa administração pública: questões hermenêuticas sobre a transparência na administração pública e a Lei nº 12.527/2011. In: SARLET, Ingo Wolfgang et. al. (Coord). Acesso à informação como direito fundamental e dever estatal. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2016, p. 27-52.

PASCUAL, Gabriel Doménech. Derechos fundamentales y riesgos tecnológicos. Madrid: Centro de Estudos Políticos y Constitucionales, 2006.

PENMAN, R. Good theory and good practice: an argument in progress. Communication Theory, vol. 2, n. 3, p. 234-250, 1992.

PETELIN, R. Considering plain language: issues and initiatives. Corporate Communications: An International Journal, vol. 15, n. 2, p. 205-216, 2010.

PRINGLE, J. Writing matters: getting your message across. Alberta: Calgary Region Community Board, 2006.

RODRIGUES, Luan Christ. Direito à informação em face dos riscos da biotecnologia CRISPR/Cas9 gene drive ao patrimônio genético no sistema jurídico brasileiro. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade La Salle, Canoas, 2018.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 33. ed. São Paulo: Malheiros, 2011.

SORRENTINO, Luciana Yuki, COSTA NETO, Raimundo Silvino da. O Acesso Digital à Justiça - A imagem do Judiciário Brasileiro e a prestação jurisdicional nos novos tempos. Disponível em .

SOUSA, Rosimeire Alves. Linguagem acessível aos cidadãos e inovação nas redes sociais e no site marcam as ações de Comunicação do TJTO. 2021. Disponível em: < http://www.tjto.jus.br/index.php/noticias/7449-linguagem-acessivel-aos-cidadaos-e-inovacao-nas-redes-sociais-e-no-site-marcam-as-acoes-de-comunicacao-do-tjto>.

STF. ADPF: 46 DF, Relator: Min. Marco Aurélio. Data de Julgamento: 05/08/2009. Tribunal Pleno, Data de Publicação: DJe-035 DIVULG 25-02-2010 PUBLIC 26-02-2010 EMENT VOL 02391-01 PP-00020.

TJDFT. Cidadania e Justiça na escola. 2019. Disponível em: < https://www.tjdft.jus.br/informacoes/programas-projetos-e-acoes/cidadania-e-justica-na-escola>.

WALDRON, Jeremy. Law and disagreement. Editora: New York, Oxford University Press, 2004.

WATANABE, Kazuo. Acesso à justiça e sociedade moderna. In: Participação e Processo. 1 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1988.

WORLD Justice Project. Rule of Law Index Project, 2018-2019. Disponível em: <https://worldjusticeproject.org/sites/default/files/documents/ROLI-2019-Reduced.pdf>.

ZWICKER, Gisele Amorim; ZANONA, Paula Lima. O acesso à internet como um direito humano fundamental - Migalhas. Migalhas.com.br. Disponível em: <https://bit.ly/3432vJc>. Acesso em: 07 Maio 2021.

Publicado
2021-10-13
Como Citar
Cruz, E. R. da, & Rodrigues, L. C. (2021). Internet e l’informazione come diritti fondamentali che condizionano l’acesso alla giustizia nell’ambiente digitale. Revista Da Defensoria Pública Do Distrito Federal, 3(2), 35-48. Recuperado de http://revista.defensoria.df.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/131