Por onde eu começo?

intérpretes de libras-português na esfera jurídica

  • Silvana Aguiar dos Santos Universidade Federal de Santa Catarina
  • Aline Vanessa Poltronieri-Gessner Universidade Federal de Santa Catarina - Campus Blumenau
Palavras-chave: intérpretes; Libras-Português;, esfera jur´ídica, intérpretes, libras-português

Resumo

No início da carreira profissional, intérpretes de Libras-Português que desejam atuar na esfera jurídica deparam-se com uma série de dúvidas e desafios no que diz respeito às decisões que competem a esse profissional. Além disso, raros são os materiais (documentos, notas técnicas, guia de orientações, artigos e outros) que oferecem subsídios eficazes para atuação dos intérpretes de línguas de sinais no meio jurídico brasileiro. Por esse motivo, discutem-se, neste trabalho, algumas contribuições de autores internacionais, como Roberson, Russell e Shaw (2011), Mathers (2007), Russell (2002); e de autores nacionais, como Santos (2016), Santos e Sutton-Spence (2018) e Rodrigues e Santos (2018). A partir de várias experiências na interpretação de Libras-Português realizadas em audiências judiciais e/ou contextos que envolviam o âmbito policial entre o período de 2004 e 2018, reuniram-se, neste texto, alguns obstáculos recorrentes que emergiram dos registros sistematizados em cadernos de anotações das profissionais. Na análise preliminar, constataram-se os seguintes tópicos: as comunidades surdas no Judiciário, diferentes contextos de atuação e terminologia e seus impactos. Esses resultados podem constituir-se como ponto de partida para a profissionalização de intérpretes de Libras-Português, além de incentivarem futuras pesquisas sobre os temas pouco explorados nesse campo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Aguiar dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), professora do Departamento de Língua de Sinais Brasileira (LSB/UFSC) e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução (PGET/UFSC). Professora no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução (POET/UFC). Florianópolis, Santa Catarina.

Aline Vanessa Poltronieri-Gessner, Universidade Federal de Santa Catarina - Campus Blumenau

Bacharel em Letras Libras - Língua Brasileira de Sinais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Tradutora-Intérprete de Libras-Português da UFSC, campus Blumenau. Blumenau, Santa Catarina

Referências

ALBIR, A. H. A aquisição da competência tradutória: aspectos teóricos e didáticos. In: ALVES, F.; MAGALHÃES, C.; PAGANO, A. Competência em tradução: cognição e discurso. Belo Horizonte: UFMG, 2005. p. 19-58.

BEER, H. Direitos linguísticos como direitos fundamentais: as políticas linguísticas para as comunidades surdas no ordenamento jurídico brasileiro. 2018. 26 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais, 2016.

BRASIL. Decreto Nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 2005. Seção 1, n. 246, p. 28-30.

BRASIL. Lei Nº 13.431, de 4 de abril de 2017. Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 5 abr. 2017. Seção 1, n. 66, p. 1-3.

BRENNAN, M.; BROWN, R. K. Equality before the law: Deaf people’s access to justice. Deaf Studies Research Unit. Coleford: Douglas McLean, 2004.

CAMPANHOLI, J. B. E. O excesso de juridiquês na terminologia e na construção do discurso forense. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS: JURISDIÇÃO, ESTADO E CIDADANIA, 4.; ENCONTRO CIENTÍFICO DO CURSO DE DIREITO, 7., 2014, Naviraí. Anais... Naviraí: Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, 2014. p. 61-68.

CIEGLINSKI, T. Em Roraima, acontece depoimento especial de crianças em língua indígena ou espanhol. Agência CNJ Notícias, Distrito Federal, 26 out. 2018. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/87902-em-roraima-acontece-depoimento-especial-de-criancas-em-lingua-indigena-ou-espanhol?acm=373565_11449>. Acesso em: 27 out. 2018.

JUSTISIGNS Consortium. VET in Interpreting and Justice. Ensuring equality & access for the deaf community in interpreted police settings. IGI Education, Dublin, 2016. Disponível em: <http://www.justisigns.com/JUSTISIGNS_Project/Course.html>. Acesso em: 28 dez. 2017.

MATHERS, C. M. Sign language interpreters in court: Understanding best practices. Bloomington, Indiana: AuthorHouse, 2007.

PAGURA, Reynaldo. A interpretação de conferências: interfaces com a tradução escrita e implicações para a formação de intérpretes e tradutores. DELTA, São Paulo, v. 19, n. spe, p. 209-236, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000300013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 24 jul.2020.

POLTRONIERI-GESSNER, A.V; SANTOS, S.A. Interpretação do Português para Libras em sessão do Tribunal do Júri: um relato de experiência. In: PAGANO, A.; LOURENÇO, G. Interpretação de línguas de sinais em contextos comunitários: Saúde, Educação & Justiça. Belo Horizonte: FALE-UFMG, 2020. (no prelo).

RECKELBERG, S. Intérpretes de Libras-Português no Contexto Jurídico: uma investigação dos serviços de interpretação oferecidos na Grande Florianópolis. 2018. 83 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Letras-Libras) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

ROBERSON, L.; RUSSELL, D.; SHAW, R. American Sign Language/English interpreting in Legal settings: current practices in North America. Journal of Interpretation, v. 21, n. 1, article 6, p. 63-79, 2011.

RODRIGUES, C. H.; BEER, H. Direitos, Políticas e Línguas: divergências e convergências na/da/para educação de surdos. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 661-680, 2016.

RODRIGUES, C. H.; SANTOS, S. A. A interpretação e a tradução de/para línguas de sinais: contextos de serviços públicos e suas demandas. Tradução em Revista, Rio de Janeiro, n. 24, p. 1-29, 2018. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/34535/34535.PDFXXvmi=>. Acesso em: 15 out. 2018.

RUSSELL, D. L. Interpreting in legal contexts: Consecutive and simultaneous interpretation. Burtonsville, MD: Linstock Press, 2002.

RUSSELL, D. L.; HALE, S. Interpreting in Legal settings. Washington, DC: Gallaudet University Press, 2008.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C.; LUCIO, P. B. Metodologia de pesquisa. São Paulo: McGraw Hill, 2013.

SANTOS, S. Questões emergentes sobre a interpretação de libras-português na esfera jurídica. Revista Belas Infiéis, Brasília, v. 5, n. 1, p. 117-129, 2016.

SANTOS, S. Uma análise descritiva de livros sobre interpretação de línguas de sinais na esfera jurídica. In: PAGANO, A.; LOURENÇO, G. Interpretação de línguas de sinais em contextos comunitários: Saúde, Educação & Justiça. Belo Horizonte: FALE-UFMG, 2020. (no prelo).

SANTOS, S.; SUTTON-SPENCE, R. L. A profissionalização de intérpretes de línguas de sinais na esfera jurídica. Translatio, Porto Alegre, v. 1, n. 15, p. 264-289, 2018.

STEWART, K.; WITTER-MERITHEW, A.; COBB, M. Best practices American Sign Language and English interpretation within legal settings. The National Consortium of Interpreter Education Centers, U.S. Department of Education, Rehabilitation Services, 2009. p. 1-50.

VALE, L. M. O juridiquês e o processo de tradução-interpretação para a língua de sinais. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DA ABRATES, 6., 2015. São Paulo. Comunicação oral...São Paulo: ATPIESP, 2015.

VALE, L. M. A importância da terminologia para atuação do tradutor intérprete de língua de sinais brasileira: proposta de glossário de sinais-termo do processo judicial eletrônico. 2018. Dissertação (Mestrado em Estudos de Tradução) – Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

Publicado
2020-09-23
Como Citar
Santos, S. A. dos, & Poltronieri-Gessner, A. V. (2020). Por onde eu começo?. Revista Da Defensoria Pública Do Distrito Federal, 2(1), 17-41. Recuperado de http://revista.defensoria.df.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/66