Estratégias de Ensino de Leitura e Escrita no Contexto de Políticas Linguísticas para Surdos

  • Celeste Azulay Kelman Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Mariana Gonçalves Ferreira de Castro UERJ
Palavras-chave: surdos, minoria linguística, ensino da língua portuguesa, inclusão em educação, ensino bilingue

Resumo

Nesse artigo, queremos discutir algumas estratégias de ensino de Língua Portuguesa que apontem para a educação bilíngue para surdos. A base conceitual escolhida como referência da pesquisa pauta-se na teoria histórico-cultural (VIGOTSKI, 1924/1989), sobre as relações que envolvem o desenvolvimento humano e a aprendizagem. Esse estudo também se propõe a dialogar com autores que seguem a visão sociointeracionista de ensino de segunda língua. A realização desta investigação baseou-se em uma revisão de literatura. Resultados concluíram que a qualidade da mediação simbólica na escolarização dos surdos traz resultados positivos sobre a aprendizagem em Língua Portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celeste Azulay Kelman, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE/UFRJ e coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Surdez – GEPeSS/DGPCNPq

Mariana Gonçalves Ferreira de Castro, UERJ

Professora Assistente da Faculdade de Educação da UERJ e Doutoranda em Educação pela UFRJ.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 10 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC),2001. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br. Acesso em: 7 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf. Acesso em: 6 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 6 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n° 4, de 2 de outubro de 2009. Institui diretrizes operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na educação básica, modalidade Educação Especial. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 5 out. 2019.

BRASIL. Presidência da República – Casa Civil. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 6 nov. 2019.

BRASIL. Presidência da República – Casa Civil. Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br /ccivil_03/LEIS/2002/L10436.htm. Acesso em: 20 nov. 2019.

BRASIL. Presidência da República – Casa Civil. Decreto n° 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei n° 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: www.mec.gov.br. Acesso em: 20 set. 2015.

BRASIL. Presidência da República – Casa Civil. Lei n. 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão do Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – Libras. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm. Acesso em: 21 set. 2015.

BRASIL. Presidência da República – Casa Civil. Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a Educação Especial, o Atendimento Educacional Especializado e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm#art11. Acesso em: 20 nov. 2019.

BRASIL. Presidência da República – Casa Civil. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Institui o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 5 nov. 2019.

BRASIL. Presidência da República – Casa Civil. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão de Pessoa com Deficiência (LBI) – Estatuto da Pessoa com Deficiência. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 4 out. 2019.

CAMPOS, M. L. I. L. Educação inclusiva para surdos e as políticas vigentes. In: LACERDA, C. B. F.; SANTOS, L. F. (org.). Tenho um aluno surdo, e agora? São Carlos: EdUFSCar, 2014.

CASTRO, M. G. F. Representação social da Libras por sujeitos surdos bilíngues. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2012.

CASTRO, M. G. F; SANTOS, K. R. O. R. P. O ensino da Língua Portuguesa como segunda língua para surdos. In: KELMAN, C. A.; OLIVEIRA, T. F. A. A. (org.). Surdez: comunicação, educação e inclusão. Curitiba: CRV, 2018.

DUARTE, M. Breve introdução à história do humanismo secular. Disponível em: www.miguelduarte.net/humanismo-secular/história-humanismo-secular.html. Acesso em: 10 out. 2019.

FARIA-NASCIMENTO, S. P. Metáfora na LSB: por debaixo dos panos ou a um palmo de nosso nariz?ETD –Educação Temática Digital, v. 7, n. 2, 2006. Disponível em: http://143.106.58.55/revista. Acesso em: 23 out. 2019.

FERNANDES, S. Educação bilíngue para surdos: trilhando caminhos para a prática pedagógica. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 2004.

FERNANDES, S. Letramentos na educação bilíngue para surdos. In: BERBERIAN, A. et al (org.). Letramento: referências na educação e na saúde. São Paulo: Plexus, 2006.

GASKELL, G.; BAUER, M. W. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2003.

GÓES, A. M.; CAMPOS, M. I. L. Aspectos da gramática da Libras. In: LACERDA, C. B. F.; SANTOS, L. F. (org.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e à educação de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2014, p. 65-80.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. São Paulo: Plexus, 1997.

HOSTINS, R. C. L.; JORDÃO, S. G. F. Política de inclusão escolar e práticas curriculares de elaboração conceitual de alunos público-alvo da educação especial. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas – Dossiê Educação Especial: diferenças, currículo e processos de ensino e aprendizagem, v. 23, n. 28, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14507/epaa.v23.1661. Acesso em: 11 out. 2019.

KELMAN, C. A. Dilemas sobre o implante coclear: implicações linguísticas e pedagógicas. Espaço, Rio de Janeiro, n. 33, p. 2, jan./jun. 2010.

KELMAN, C. A. Multiculturalismo e surdez: respeito às culturas minoritárias. In: LODI, A.; DORZIAT, A.; FERNANDES, E. (org.). Letramento, bilinguismo e educação de surdos. Porto Alegre: Mediação, 2015, 7ª. ed.

KELMAN, C. A. Letramento do aluno surdo: considerações sobre compreensão e escrita em L2. Rio de Janeiro: IHA, 2011. Disponível em: https://ihainforma.wordpress.com/ 2011/10/06/letramento-do-aluno-surdo-consideracoes-sobre-compreensao-e-escrita-em-l2/. Acesso em: 8 out. 2019.

LACERDA, C. B. F. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Cadernos CEDES, Campinas, v. 19, n. 46, set. 1998.

LACERDA, C. B. F; SANTOS, L. F. (org.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e à educação de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

LEBEDEFF, T. B. (org.). Letramento visual e surdez. Rio de Janeiro: Wak, 2017.

LODI, A. C. B. Pluralismo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, set./dez. 2005.

MOURA, D. R. O uso da Libras no ensino de leitura de português como segunda língua para surdos: um estudo de caso em uma perspectiva bilíngue. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem). PUC-SP, São Paulo, 2008.

QUADROS, E. Libras. São Paulo: Parábola, 2019.

ROCHA, S. M. O INES e a educação de surdos no Brasil: aspectos da trajetória do Instituto Nacional de Educação de Surdos em seu percurso de 150 anos. Rio de Janeiro: INES, 2008.

SKLIAR, C. Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, C. (org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998.

VIGOTSKI, L. La psicología y la pedagogia del deficiente infantil. In: VIGOTSKI, L. Obras completas. Tomo cinco. Fundamentos de Defectología. Havana: Pueblo y Educación, 1924/1989, p. 53-72.

VIGOTSKI, L. El defecto y la compensación. In: VIGOTSKI, L. Obras completas. Tomo cinco. Fundamentos de Defectología. Havana: Pueblo y Educación, 1929/1989, p. 27-40.

VIGOTSKI, L. El colectivo como fator para el desarrollo del niño con defecto. In: VIGOTSKI, L. Obras completas. Tomo cinco. Fundamentos de Defectología. Havana: Pueblo y Educación, 1931/1989, p. 173-193.

VIGOTSKI, L. Manuscrito de 1929 [Psicologia concreta do homem]. Educação & Sociedade, Campinas, CEDES, n. 71, p. 23-44,1929/2000.

VIGOTSKI, L. Quarta aula: A questão do meio na Pedologia. Psicologia USP, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 681-701, 2010.

VIGOTSKI, L. Pensamiento y habla. Buenos Aires: Colihue, 2012.

WEI, L. Conceptual and Methodological Issues in Bilingualism and Multilingualism Research. In: BHATIA, T.; RITCHIE, W. (org.). The Handbook of Bilingualism. Malden: Willey-Blackwell, 2013. p. 26-51.

Publicado
2020-09-23
Como Citar
Kelman, C. A., & Castro, M. G. F. de. (2020). Estratégias de Ensino de Leitura e Escrita no Contexto de Políticas Linguísticas para Surdos. Revista Da Defensoria Pública Do Distrito Federal, 2(1), 75-96. Recuperado de http://revista.defensoria.df.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/71