Dispositivo de segurança na legislação linguistica dos surdos e seu reflexo na educação

  • Nelson Dias UFMS
  • Karine Albuquerque Negreiros UFMS
Palavras-chave: Dispositivo de segurança; Libras; relação de poder.

Resumo

Nas últimas décadas, a legislação brasileira voltou seu olhar para pessoas surdas, buscando garantir acessibilidade, direitos linguísticos, educacionais e promoção de saúde. Contudo, existem pontos sutis nesses documentos que identificamos como sendo dispositivos de segurança, um conceito proposto por Foucault, como uma forma de manutenção do controle desses sujeitos. Dessa forma, objetivamos analisar a lei 10.436 de 24 de abril de 2002 e no decreto 5626 de 22 de dezembro de 2005 a fim de elencar os   dispositivos de segurança neles inseridos. As discussões estão pautadas no referencial teórico de Foucault (2008), recorrendo aos conceitos de dispositivos de segurança, assujeitamento e relações de poder, por ele desenvolvidos. Elencamos, depois de uma leitura atenta e respaldados no aporte teórico proposto, sete dispositivos de segurança nos documentos analisados. Conclui-se que esses dispositivos refletem diretamente na oferta de uma educação bilíngue para estudantes surdos e nas aplicações em políticas públicas como garantia desses direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nelson Dias, UFMS

Doutorando em ensino de Ciências. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2017). Atualmente é Professor de LIBRAS pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus de Ponta Porã. 

Karine Albuquerque Negreiros, UFMS

Doutorando em Educação (UFMS). Mestre em Letras (UEMS). Professora da UFMS. 

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2011.

BRASIL. Lei nº 10436 de 24 de Abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências.

BRASIL. Decreto n º 5626 de 22 de Dezembro de 2005. Que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, 2002.

FERNANDES, Sueli; MOREIRA, Laura Ceretta. Políticas de educação bilíngue para surdos: o contexto brasileiro. Educar em Revista, Editora UFPR. Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 2, p. 51-69, 2014.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1986.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 1: Vontade de saber. 9ª ed. Rio de Janeiro: Graal,1988.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 13ª ed. Rio de Janeiro: Graal,1998a.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. 4ª ed. São Paulo: Edições Loyola,1998b.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. 23ª ed. São Paulo: Editora Vozes, 2000.

FOUCAULT, Michel. Os Anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. Martins Fontes, São Paulo, 2008.

GUARINELLO, Ana Cristina. O papel do outro no processo de construção da produção da escrita de sujeitos surdos. 2004. 207f. Tese (Doutorado em Estudos Lingüísticos) - Programa de Pós Graduação em Letras, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

KARNOPP, Lodenir Becker. Práticas de leitura e escrita em escolas de surdos. In: FERNANDES, Eulalia (org.). Surdez e Bilinguismo. Porto Alegre/RS: Editora Mediação 7ª Ed., 2015.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa. Intérprete de Libras: em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. 7ªEd. Porto Alegre: Mediação, 2015

LACERDA, Cristina B.F; LODI, Ana Claudia B. A inclusão escolar bilíngue de alunos surdos: princípios, breve histórico e perspectivas. IN: LODI, Ana Claudia B.; LACERDA, Cristina B.F. Uma escola, duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. 4ª Ed. Porto Alegre: Mediação, 2014.

LODI, Ana Claudia Balieiro. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto nº 5.626/05. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 1, p. 49-63, jan./mar. 2013.

SILVA, Rosana A. da. A Trajetória da Educação Especial Brasileira: das Propostas de Segregação à Proposta Inclusiva: O Olhar da Cidade de Mairiporã. Monografia apresentada para conclusão do curso de Especialização Latu Sensu “A Educação Inclusiva na Deficiência Mental”, PUC, São Paulo, 2003.

SANTOS, Lara Ferreira dos; GURGEL, Taís Margutti do Amaral. O instrutor surdo em uma escola inclusiva bilíngue. IN: LODI, Ana Claudia B.; LACERDA, Cristina B.F. Uma escola, duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. 4ª Ed. Porto Alegre: Mediação, 2014.

VEIGA NETO, Alfredo. Incluir para saber. Saber para excluir. Proposições: revista quadrimestral. Faculdade de Educação-UNICAMP, vol.12, São Paulo, 2001.

VEIGA NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. Belo Horizonte, MG, Autêntica, 2003.

Publicado
2020-09-23
Como Citar
Dias, N., & Negreiros, K. A. (2020). Dispositivo de segurança na legislação linguistica dos surdos e seu reflexo na educação. Revista Da Defensoria Pública Do Distrito Federal, 2(1), 119-134. Recuperado de http://revista.defensoria.df.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/72