Grupos reflexivos virtuais para homens autores de violência doméstica na pandemia

o projeto RenovAção da Defensoria Pública do Distrito Federal

Palavras-chave: Lei Maria da Penha, Violência doméstica, assistência educacional e psicossocial por meio virtual, homens autores de violência doméstica, masculinidades, grupos reflexivos e psicoeducativos

Resumo

Nos últimos anos, pesquisadores e estudiosos do comportamento masculino em sociedade – masculinidades – têm revelado que o homem, dentro dos padrões culturais estabelecidos e internalizados pelo patriarcado, é privilegiado e também vítima de um processo que, desde a infância, o incentiva a desprezar o sexo feminino e tudo o que, historicamente, é relacionado a ele. A partir desta perspectiva, o objetivo deste artigo é analisar em que medida o Projeto RenovAÇÃO-Homens, no formato virtual, promove uma consciência de gênero que funcione como um fator de proteção para a saúde mental, como novas formas de se relacionar, de pensar e estar no mundo. Trata-se de um grupo reflexivo e psicoeducativo para homens autores de violência doméstica dentro do projeto RenovAÇÃO, implementado pela subsecretaria de atividade psicossocial da Defensoria Pública do Distrito Federal. Na metodologia, utilizou-se o questionário semiestruturado, o qual foi constituído por quatro perguntas abertas, pelo aplicativo Googleforms junto aos homens participantes desse projeto. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta de Ávila Silva Porto Nunes, Defensoria Pública do Distrito Federal

Psicóloga Especialista e Perita de Trânsito (Universidade de Brasília). Especialista em Gestão Estratégica em Organizações Públicas. Especialista em Neuropsicologia. Especialista em Direito e Gênero.Psicóloga da Secretaria de Educação do Distrito Federal. Subsecretária de Atividade Psicossocial da Defensoria Pública do Distrito Federal desde 2016. Mediadora do Tribunal de Justiça ( TJDFT) desde 2017. Especializanda em Saúde da População em Situação de Rua (Universidade de Brasília), Especializanda em Inteligência Emocional e Psicologia Positiva (PUCRS), Graduanda em Gerontologia (UNINTER). Idealizadora e coordenadora de grupos reflexivos para homens autores de violência doméstica, mulheres vítimas de violência doméstica, servidores públicos, pessoas em vulnerabilidade, pessoas com deficiência auditiva e surdos, adolescentes com medidas socioeducativas de meio aberto e idosos. Idealizadora e coordenadora e do Projeto Conexão 60+ da DPDF.

Referências

ACOSTA, Fernando et al. Conversas homem a homem: grupo reflexivo de gênero: metodologia. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2004.

ALMEIDA, Alana Peixoto de, LIMA, Flávia Maria Vasconcelos, LISBOA, Sheila Marques, FRANCO JÚNIOR, Alberto José de Amorim, LOPES, Andressa Pereira. Comparação entre as teorias da aprendizagem de Skinner e Bandura. In: Caderno De Graduação - Ciências Biológicas e da Saúde- UNIT – Alagoas, 2013.

ALMEIDA, Mágida Cristiane de. Uma terceira via para a proteção da mulher vítima de violência doméstica – o reconhecimento transformativo pela educação. In: Revista do Ministério Publico do RS. Porto Alegre, nº 71, jan. 2012-abr. 2012. P. 185-189. Disponível em: <http://www.amprs.com.br/public/arquivos/revista_artigo/arquivo_1342125702.pdf>. Acesso em 01/04/2021.

ANDRADE, Leandro Feitosa; BARBOSA, Sérgio; PRATES, Paula Licursi. Projeto: Centro de Atenção à violência doméstica e de gênero e de formação em masculinidades no Município de São Paulo. São Paulo: mimeo, 2010.

ARO, Mariana Lansttai Bevilaqua; GOMES, Nataniel dos Santos. “As fake news como contribuição na formação do leitor crítico”. In: Revista Philologus, ano 23, nº 69. Rio de Janeiro: CiFEFiL, set./dez. 2017.

BANDEIRA, Lourdes Maria. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. In: Soc. estado, Brasília , v. 29, nº 2, p. 449-469, ago. 2014.

BANDURA, Albert. Pensamiento y acción: fundamentos sociales. Barcelona-España: Martínez Roca, 1987.

BEIRAS, Adriano; NASCIMENTO, Marcos; INCROCCI, Caio. Programas de atenção a homens autores de violência contra as mulheres: um panorama das intervenções no Brasil. In: Saude soc., São Paulo, v. 28, nº 1, p. 262-274, Março 2019. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902019000100019&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 21/12/2020.

BEIRAS, Adriano. Relatório mapeamento de serviços de atenção grupal a homens autores de violência contra mulheres no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Noos e Instituto Promundo, 2014.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Editora Bertran Brasil S.A, 1989.

BRASIL. Decreto nº 1.973 de 1º de agosto de 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1996/d1973.htm>. Acesso em: 15/01/2021.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm>. Acesso em: 15/01/2021.

BRASIL. Lei nº 13.984, de 3 de abril de 2020. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/lei/L13984.htm>. Acesso em: 22/12/2020.

BRASIL/SPM. Proposta para implementação dos serviços de responsabilização do agressor. Brasília, 2008. Disponível em: <http://spm.gov.br/convenios/roteiro-elaboracao-projetos-2009-1.pdf>. Acesso em: 15/01/2021.

CARNEIRO, Alessandra Acosta; FRAGA, Cristina Kologeski. A Lei Maria da Penha e a proteção legal à mulher vítima em São Borja no Rio Grande do Sul: da violência denunciada à violência silenciada. In: Serv. Soc. Soc., São Paulo, nº 110, p. 369-397, junho 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282012000200008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 21/12/2020.

CARNEIRO, Tom Jones da Silva; ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. Tradução de Christina Baum. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, 63 p. In: Cad. Trad., Florianópolis, v. 37, nº 2, p. 318-328, agosto de 2017. Disponível em: <79682017000200318&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 13/03/2021.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2005, v. 1.

COLLINS, Patrícia Hill. Rasgos distintivos del pensamento feminista negro. In: JARBADO, Mercedes. (Ed.). Feminismos negros. Una ontología. Madri: Edición Traficantes de Sueños, 2012. p. 99-134.

DPDF. Renovação Homens virtual: Educação em direitos e promoção de saúde mental em época de pandemia. Brasília, Agosto 2019 (No prelo).

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GADAMER Hans Georg. O caráter oculto da saúde. Trad. de Antônio Luz Costa. Petrópolis: Vozes; 2006.

GOMES, Nadirlene Pereira; FREIRE, Normélia Maria. Vivência de violência familiar: homens que violentam suas companheiras. In: Rev. bras. enferm., Brasília , v. 58, nº 2, p. 176-179, Abril 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672005000200009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 07/04/2021.

GUIMARAES, Maisa Campos; PEDROZA, Regina Lucia Sucupira. Violência contra a mulher: problematizando definições teóricas, filosóficas e jurídicas. In: Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 27, nº 2, p. 256-266, agosto de 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822015000200256&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 13/04/2021.

HENNEMANN, Ana Lúcia. Neurociências e os 4 pilares da educação propostos para o século XXI, 2015. Disponível em: <https://pgpneuroeducacao.wordpress.com/sabia-que/neurociencias-e-os-4-pilares-da-educacao-propostos-para-o-seculo-xxi/>. Acesso em: 12/01/2021.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Tradução de Ana Luíza Libânio. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Ventos, 2018.

JARES, Xesús R. Educar para a paz em tempos difíceis, 2007. São Paulo: Palas Athenas

JUSBRASIL. Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Entenda o que é “Masculinidade Positiva”, tema do Prêmio de Jornalismo do TJMS. Disponível em: https://tj-ms.jusbrasil.com.br/noticias/783081781/entenda-o-que-e-masculinidade-positiva-tema-do-premio-de-jornalismo-do-tjms. Acesso em: 22/12/2020.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? Trad. de Paulo Neves. São Paulo: Ed. 34, 1996.

LIMA, Daniel Costa; BUCHELE, Fátima. Revisão crítica sobre o atendimento a homens autores de violência doméstica e familiar contra as mulheres. In: Physis, Rio de Janeiro , v. 21, nº 2, p. 721-743, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312011000200020&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 13/04/2021.

MAGENDZO, Abraham. Educación en derechos humanos: un desafío para los docentes de hoy. Santiago: LOM, 2006.

MEDRADO, Benedito; LYRA, Jorge. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. In: Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 16, nº 3, p. 809-840, dez. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2008000300005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 13/04/2021.

MEDRADO, Benedito; NASCIMENTO, Marcos; LYRA, Jorge. Os feminismos e os homens no contexto brasileiro: provocações a partir do encontro. 13º Fórum Internacional AWID. In: Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, nº 2, p. 603-608. Fev. 2019. Disponível em: <81232019000200603&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30/12/2020.

MOREIRA, Virginia; BORIS, Georges Daniel Janja Bloc; VENANCIO, Nadja. O estigma da violência sofrida por mulheres na relação com seus parceiros íntimos. In: Psicol. Soc., Florianópolis, v. 23, nº 2, p. 398-406, Ago. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822011000200021&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 01/04/2021.

MUNIZ, Alexandre Carrinho; FORTUNATO, Tammy. Violência doméstica: da cultura ao direito. In: BRASIL. Conselho Nacional do Ministério Público. Violência contra a mulher: um olhar do Ministério Público brasileiro/Conselho Nacional do Ministério Público. – Brasília: CNMP, 2018.

OLIVEIRA, Kátia Lenz Cesar de; GOMES, Romeu. Homens e violência conjugal: uma análise de estudos brasileiros. In: Ciênc. saúde coletiva [online]. 2011, vol.16, nº 5. pp.2401-2413. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000500009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30/12/2020.

PRATES, Paula Licursi; ANDRADE, Leandro Feitosa. Grupos reflexivos como medida judicial para homens autores de violência contra a mulher: o contexto sócio-histórico. In: Fazendo Gênero 10. Desafios atuais do feminismo. 16 a 20 de setembro de 2013. Disponível em: <https://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1373299497_ARQUIVO_PrateseAndradeFazendoGenero10.pdf>. Acesso em: 01/04/2021.

RAMOS, Ana Luisa Schmidt. Violência psicológica contra a mulher: o dano psíquico como crime de lesão corporal. 2ª ed., Florianópolis: EMais Editora & Livraria Jurídica, 2019.

SAFFIOTI, Heleieth; BONGIOVANI, Iara. Gênero, patriarcado e violência. 2ª edição, São Paulo: Expressão popular: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES. Plano Integrado de Enfrentamento da Feminização da Epidemia de Aids e outras DST, 2007.

SILVA, Artenira da Silva; GUIMARÃES, Claudio Alberto Gabriel, Barbosa, SILVA, Gabriella Sousa da. Política Criminal e Lei Maria da Penha: Da obrigatoriedade de comparecimento do agressor a programas de recuperação e reeducação como principal medida protetiva de urgência. Belo Horizonte – MG, 2018. Disponível em: <http://www.rkladvocacia.com/politica-criminal-e-lei-maria-da-penha-da-obrigatoriedade-decomparecimento-do-agressor-programas-de-recuperacao-e-reeducacao-como-principalmedida-protetiva-de-urgencia/>. Acesso em: 01/04/2021.

ZANELLO, Valeska. Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. Curitiba: Appris, 2018.

ZANELLO, Valeska; FIUZA, Gabriela; COSTA, Humberto Soares. Saúde mental e gênero: facetas gendradas do sofrimento psíquico. Fractal, In: Rev. Psicol., Rio de Janeiro , v. 27, n. 3, p. 238-246, dez. 2015 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-02922015000300238&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 30/12/2020.

Publicado
2021-04-29
Como Citar
Nunes, R. de Ávila S. P. (2021). Grupos reflexivos virtuais para homens autores de violência doméstica na pandemia. Revista Da Defensoria Pública Do Distrito Federal, 3(1), 155-188. Recuperado de http://revista.defensoria.df.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/114